Fatecrl e o “Dia Internacional de Conscientização do Autismo

por , em 02/04/2018 INSTITUCIONAL

Por Daniela Nascimento - Equipe Web

Fatec Rubens Lara conta há dois anos com tutora para aluno com TEA

Em todo 2 de abril é celebrado o “ Dia Internacional de Conscientização do Autismo”, decretado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para uma maior percepção e alerta de uma síndrome que cada vez mais afeta novas crianças. No Brasil é garantido por lei, que alunos com espectro autista com a comprovação da necessidade têm direito a um acompanhante especializado.  Na Fatec Rubens Lara a professora Cristiane Santos faz esse trabalho, com um de nossos alunos, em um dos cursos de tecnologia da informação.

Cristiane, que é pós graduada em Educação Especial com ênfase em Deficiência Intelectual, trabalha desde 2004 com inclusão, até então sua experiência vinha de ensino infantil e fundamental, e há dois anos tem a oportunidade de trabalhar com ensino superior.

A tutoria para portadores de espectro Autista, ou TEA (Transtorno de Espectro Autista), para a profissional, é uma forma de mediar o conhecimento que o professor em aula está passando para o aluno. Mas antes de tudo é necessário criar um elo com o individuo, que nas outras esferas de ensino é mais fácil de acontecer, quando adulto esse entrosamento é mais trabalhoso, já que o individuo possui uma série de experiências.

No ensino superior, em especifico no curso de Tecnologia da Informação, as interações com o computador tornam a aula mais concreta, incentivando o aluno a assistir as aulas, por que portadores de TEA possuem certa dificuldade em se concentrar. 

Cristiane, conta que não é necessário que o tutor esteja por dentro do conteúdo do curso, mas ela se dedica a aprender, para que possua assuntos em comum e que a figura de autoridade seja amenizada. E ressalta:” Felizmente, tive a sorte de ser acolhida por um aluno que me ajuda e graças a ele, estamos conseguindo fazer um trabalho mais completo,  ele tem o conhecimento em TI e eu em TEA.”

Alertando em como nossa sociedade precisa de estar aberta em aceitar as diferenças, todas as instituições educacionais deveriam abordar mais o tema, afinal alguns nascem especiais e outros se tornam. Segundo Cristiane, muitos portadores de necessidades especiais acabam abandonando o ensino, no nível fundamental outros vão para escolas especiais, e poucos alcançam o ensino superior.

Mesmo com a Lei, muitas escolas apenas aceitam o aluno sem se adequar e o oferecer o ambiente adequado e não há inclusão. Para ela, a Fatec a acolheu, lhe deu as ferramentas adequadas e trabalha em conjunto para um melhor aproveitamento do aluno.

Sobre seu dia a dia, desde que começou a trabalhar educação especial a professora diz: “Confesso que não é fácil, algumas pessoas desconfiam dos métodos, outras pessoas não entendem nada de inclusão e ainda tem quem pense que o aluno está fingindo ser autista. Mas cabe ao profissional ter fé em suas ações e visar o bem do aluno. Não tem nada mais gratificante do que ver os pais felizes com a mudança de um filho especial”.

Transtorno do Espectro Autista (TEA)- TEA é uma condição geral para um grupo de desordens complexas do desenvolvimento do cérebro, antes, durante ou logo após o nascimento. Esses distúrbios se caracterizam pela dificuldade na comunicação social e comportamentos repetitivos. Embora todas as pessoas com TEA partilhem essas dificuldades, o seu estado irá afetá-las com intensidades diferentes. Assim, essas diferenças podem existir desde o nascimento e serem óbvias para todos; ou podem ser mais sutis e tornarem-se mais visíveis ao longo do desenvolvimento.  

Podendo ser associado com deficiência intelectual, dificuldades de coordenação motora e de atenção e, às vezes, as pessoas com autismo têm problemas de saúde física, tais como sono e distúrbios gastrointestinais e podem apresentar outras condições como síndrome de deficit de atenção e hiperatividade, dislexia ou dispraxia. Na adolescência podem desenvolver ansiedade e depressão. O autismo é uma condição permanente, a criança nasce com autismo e torna-se um adulto com autismo. Assim como qualquer ser humano, cada pessoa com autismo é única e todas podem aprender. Fonte: http://autismo.institutopensi.org.br